Dosagem Marshall

Esse ensaio pode ser feito a partir de duas normas. O primeiro é determinado pelo DNER-ME 043/95 – “Misturas betuminosas a quente – ensaio Marshall”.

Esse método fixa o modo pelo qual se determina a estabilidade e a fluência de misturas betuminosas usinadas a quente, utilizando o aparelho Marshall. Para o ensaio, são preparadas as misturas para os corpos de prova, seguido da compactação dos mesmos.

Para a determinação da estabilidade e da fluência:

a) Os corpos de provas são imersos em banho maria, porém podem ser colocados em estufa como alternativa;

b) Em seguida, cada corpo de prova é colocado no molde de compressão;

c) A presa é operada de tal modo que seu êmbolo se eleve a uma certa velocidade, até o rompimento do corpo de prova;

d) Essa carga máxima que rompe o corpo de prova à uma temperatura especificada é anotada como “estabilidade lida”. Sendo que esse valor é corrigido para a espessura do corpo de prova. O resultado obtido é o valor da estabilidade Marshall;

e) O valor da fluência é obtido simultaneamente ao da estabilidade. Durante a aplicação da carga, a luva-guia do medidor de fluência é firmada no topo do molde, sendo que no momento de rompimento é anotado o valor da fluência.

O segundo é determinado pelo DNER-ME 107/94 – “Mistura betuminosa a frio, com emulsão asfáltica”. Esse método fixa o modo pelo qual se determina a estabilidade e a fluência de misturas betuminosas usinadas a frio, com emulsão asfáltica, utilizando o aparelho Marshall. Para o ensaio, são preparadas as misturas para os corpos de prova, seguido da compactação dos mesmos.

Para a determinação da estabilidade e da fluência:

a) os corpos de prova são colocados em estufa por 2 horas;

b) Em seguida é colocado no molde de compressão;

c) Esse molde é levado a prensa e colocado o medidor de fluência;

d) A presa é operada de tal modo que seu êmbolo se eleve a uma certa velocidade, até o rompimento do corpo de prova;

e) Essa carga máxima que rompe o corpo de prova à uma temperatura especificada é anotada como “estabilidade lida”. Sendo que esse valor é corrigido para a espessura do corpo de prova. O resultado obtido é o valor da estabilidade Marshall;

f) O valor da fluência é obtido simultaneamente ao da estabilidade. Durante a aplicação da carga, a luva-guia do medidor de fluência é firmada no topo do molde, sendo que no momento de rompimento é anotado o valor da fluência.